sábado, 23 de fevereiro de 2008

AULA 02

ARCADISMO



Se no século XVII, durante o período do Barroco, são construídas igrejas e palácios solenes que causam um misto de respeito e admiração por aquilo que significam - o Poder de Deus e o Poder do Estado - no século XVIII são construídas casas graciosas e belos jardins, anunciando um novo sentido de vida. Ao mármore, ao bronze, ao ouro, preferem-se materiais mais simples. Às cores carregadas das igrejas e dos castelos, preferem-se o pastel, o verde, o rosa. Ao pomposo, se prefere o íntimo e o frívolo.


CARACTERÍSTICAS

BUSCA DA SIMPLICIDADE
A fórmula básica do Arcadismo pode ser representada assim:
Verdade = Razão = Simplicidade

IMITAÇÃO DA NATUREZA
Ao contrário do Barroco, que é urbano, há no Arcadismo um retorno à ordem natural. Como na literatura clássica, a natureza adquire um sentido de simplicidade, harmonia e verdade. Cultua-se o "homem natural", isto é, o homem que "imita" a natureza em sua ordenação, em sua serenidade, em seu equilíbrio, e condena-se toda ousadia, extravagância, exacerbação das emoções.

IMITAÇÃO DOS CLÁSSICOS
Processa-se um retorno ao universo de referências clássicas, que é proporcional à reação antibarroca do movimento. O escritor árcade está preocupado em ser simples, racional, inteligível. E para atingir esses requisitos exige-se a imitação dos autores consagrados da Antiguidade, preferencialmente os pastoris. Diz um árcade português:
"O poeta que não seguir os antigos, perderá de todo o caminho, e não poderá jamais alcançar aquela força, energia e majestade com quem nos retratam o formoso e angélico semblante da natureza.
"
Observa-se, também, a contínua utilização da mitologia clássica. Esta mitologia, que era um acervo cultural concreto de Grécia, Roma e mesmo do Renascimento, agora se converte apenas num recurso poético de valor duvidoso.

AUSÊNCIA DE SUBJETIVIDADE
A constante e obrigatória utilização de imagens clássicas tradicionais acaba sedimentando uma poesia despersonalizada. O escritor não anda com o próprio eu. Adota uma forma pastoril: Cláudio Manuel da Costa é Glauceste Satúrnio, Tomás Antônio Gonzaga é Dirceu, Silva Alvarenga é Alcino Palmireno, Basílio da Gama é Termindo Sipílio.
A renúncia à manifestação subjetiva faz parte do "decoro e da dignidade" do homem virtuoso.









PRECEITOS ÁRCADES


fugere urbem (fuga da cidade):os árcades defendiam o bucolismo como ideal de vida, isto é, uma vida simples e natural, junto ao campo, distante dos centros urbanos. Tal princípio era reforçado pelo pensamento do filósofo francês Jean Jacques Rousseau, segundo o qual a civilização corrompe os costumes do homem, que nasce naturalmente bom.

áurea mediocritas (vida medíocre materialmente mas rica em realizações espirituais): outro traço presente advindo da poesia horaciana é a idealização de uma vida pobre e feliz no campo, em oposição à vida luxuosa e triste na cidade

idéias iluministas: como expressão artística da burguesia, o Arcadismo veicula também certos ideais políticos e ideológicos dessa classe, no caso, idéias do Iluminismo. Os iluministas foram pensadores que defenderam o uso da razão, em contraposição à fé cristã, e combateram o Absolutismo

convencionalismo amoroso: na poesia árcade, as situações são artificiais; não é o próprio poeta quem fala de si e de seus reais sentimentos. No plano amoroso, por exemplo, quase sempre é um pastor que confessa o seu amor por uma pastora e a convida para aproveitar a vida junto à natureza.

carpe diem: o desejo de aproveitar o dia e a vida enquanto é possível tema já bastante explorado pelo Barroco - é retomado pelos árcades e faz parte do convite amoroso.

Locus amoenus: Vida em lugar aprazível, ameno.

Inutilia truncat: cortar as inutilidades. Para combater o excessivo verbalismo barroco e sua linguagem confusa e rebuscada.









Relacionando Arcadismo com imagens buscamos retratos de simplicidade, clareza, fuga da vida urbana, apego á natureza. Conseguimos encontrar as figuras acima expostas que expressam os conceitos básicos do período Árcade. Na primeira reprodução podemos observar um lugar tranquilo, calmo, a presença vital da natureza e uma paisagem fora da cidade; já na segunda, vemos uma mulher em contato com plantas, cuidando da natureza e levando uma vida amena sem riquezas materiais, porém repleta de bens naturais.


3 comentários:

Natália, Mariana, Fernanda disse...

Aow moçadaaa
muito original o blog...
a seleção de fotos está perfeita
Gostamos mesmo...

Geruza Zelnys de Almeida disse...

meninosss
que belo campo de girassóis!
lembrou-me van gogh pintor impressionista que em breve vamos estudar... garanto q vcs se lembrarão tb!
bjs

ah, qdo vcs achare o nome do autor e o ano da pintura acrescente para q os outros possam pocurar depois
G.

kethaca disse...

Rááá!
queee lindaa a foto dos girassóis!
quero ir pra um lugar assim! vamos? kkkkk...
Hoje que eu parei pra ler tudo o que vc escreveu! Você escreve bem menino! vaii ser jornalista, vai! ehuaheua...
Ahhh... já ta na hora de postar Romantismo...e Tarsila tbm! ;P